Ligue para anunciar em nosso blog

Ligue para anunciar em nosso blog

quarta-feira, 5 de julho de 2017

NOTICIAS DO PARANÁ CLUBE

Para ganhar e subir na tabela é preciso marcar gols. Com esse pensamento simples e efetivo, o atacante Alemão avalia que o acesso do Paraná Clube à elite nacional passa por uma correção no setor ofensivo. Segundo ele, quando o time começar a criar, "tem tudo para subir". O Tricolor tem atualmente nove gols e com o setor ofensivo melhor apenas que Oeste, Paysandu e Náutico (todos com oito gols). O time está na sétima colocação, com 16 pontos - apenas três atrás do G-4.
- Eu tenho certeza que o Paraná, quando começar a criar, junto com a nossa parte defensiva, nosso elenco tem tudo para subir. Antes de vir pra cá, acompanhei os jogos do Paraná no estadual e na Copa do Brasil - afirmou o atacante em entrevista coletiva.
Alemão ainda não teve o nome publicado no Boletim Informativo Diário (BID), mas a expectativa é que ele seja regularizado a tempo do jogo contra o América-MG, sexta-feira, às 21h30 (horário de Brasília), na Vila Capanema. Ele comenta sobre a responsabilidade de fazer os gols para buscar o sonho do acesso:
- Não só a minha, mas de todos da parte ofensiva. Neste último jogo, estive nas cativas com a torcida e acho que eles estão sentindo falta de um futebol mais envolvente, com mais criação. Tenho certeza que o Paraná tem mais tranquilidade na parte defensiva, sofre poucos gols. Mas, para criar as jogadas, está faltando um pouquinho. Com trabalho, dedicação de todos, até porque a bola vem de trás. Com essa dedicação, a gente vai criar mais e vai conseguir fazer os gols.
Apesar de ser o sétimo colocado, o Paraná tem o quarto pior ataque da Série B. São nove gols marcados, à frente apenas de Náutico, Paysandu e Oeste (com oito gols cada). Alemão confia que o ataque vai melhorar o desempenho nas próximas rodadas.
- Temos bons jogadores na parte da frente. Por enquanto, acho que a parte ofensiva é a que está dando um pouquinho mais de trabalho para o professor. Tem muita qualidade ali na frente. Nosso time marca muito e ainda está faltando fazer mais os gols. Mas, com muito trabalho, dedicação e ajuda de todos na parte defensiva, do meio-campo, tenho certeza que criando um pouco mais, a gente vai fazer os gols - completou.
Alemão confia no acesso do Paraná... só precisa melhorar a criação (Foto: Reprodução/RPC) Alemão confia no acesso do Paraná... só precisa melhorar a criação (Foto: Reprodução/RPC)
Alemão confia no acesso do Paraná... só precisa melhorar a criação (Foto: Reprodução/RPC)

NOTICIAS DO SÃO PAULO

Pintado esboça time do São Paulo e tem papo com Cueva; meia pode perder vaga

Interino dá pista da equipe titular com oito jogadores, sem Jucilei, Petros e peruano, com quem tem papo de aproximadamente dez minutos. Camisa 10 poderá ficar no banco no San-São

Pintado comandou o segundo dia de trabalho no São Paulo, nesta quarta-feira de manhã, no CT da Barra Funda, após a demissão de Rogério Ceni. Ele vai dirigir a equipe interinamente no clássico contra o Santos, domingo, na Vila Belmiro, pela 12ª rodada do Brasileirão.
Isso porque mesmo em caso de acerto com Dorival Júnior, favorito para assumir a equipe, ele não poderá dirigir o time imediatamente por conta de problemas particulares a resolver em Florianópolis no fim desta semana.
Nesta terça, Pintado deu uma pista do time titular para o San-São. Ele dividiu o elenco em três grupos. O que mais se aproximava de uma formação de equipe para o jogo era o seguinte: Bruno, Lugano, Rodrigo Caio e Junior Tavares; Lucas Fernandes, Marcinho, Denilson e Lucas Pratto.
Cueva e Pintado conversam depois do treino do São Paulo (Foto: Marcelo Hazan) Cueva e Pintado conversam depois do treino do São Paulo (Foto: Marcelo Hazan)
Cueva e Pintado conversam depois do treino do São Paulo (Foto: Marcelo Hazan)
Jucilei e Petros, titulares prováveis, estavam em outro time, com Wesley, Militão, Araruna, Buffarini, Shaylon e Cueva. O peruano, aliás, poderá perder vaga na equipe do Tricolor. Na comissão técnica, a impressão é de que o jogador precisa competir mais pela posição.
Depois do treinamento, Pintado chamou o meia para uma conversa particular de cerca de dez minutos. Ele não faz gol desde o dia 18 de março. Desde a lesão muscular sofrida com a seleção peruana, em março, o atleta não voltou a ter o mesmo rendimento. Agora, tem mais concorrentes para o setor, como Jonatan Gomez e o garoto Lucas Fernandes, em ascenção.
O São Paulo não vence há seis rodadas e entrou na zona de rebaixamento: é o 17º colocado, com 11 pontos.
Cueva treinou nesta quarta no São Paulo, mas poderá perder vaga no time (Foto: Marcelo Hazan) Cueva treinou nesta quarta no São Paulo, mas poderá perder vaga no time (Foto: Marcelo Hazan)
Cueva treinou nesta quarta no São Paulo, mas poderá perder vaga no time (Foto: Marcelo Hazan) 

- Atualizado em

Diretor da CBF: campeão brasileiro pode cair e perder título sem certidões

Rogério Caboclo, diretor executivo de Gestão da CBF, explica que nova legislação pune clube que não cumprir à risca os pagamentos de salários e dívidas do Profut

Promovido diretor executivo de Gestão da CBF desde janeiro de 2016, Rogério Caboclo é o cara desde então com a missão de cuidar dos problemas do futebol  brasileiro. Nesta terça-feira, ele esteve presente ao "Seleção SporTV" para explicar as mudanças de normas e exigências para todos os clubes. E deixou um alerta ligado. Segundo ele, o clube que for campeão brasileiro de 2017, caso não obtenha licença de que cumpre à risca suas obrigações trabalhistas e não estiver regularizado com a certidão do Profut, programa de refinanciamento das dívidas fiscais, poderá ser rebaixado e perder o título.
Rogério Caboclo explicou que o regulamento da CBF tem um dispositivo no qual os atletas que estejam em situação de irregularidade salarial podem fazer a denúncia, e o clube terá um prazo para colocar em dia suas obrigações, sob pena de perda de pontos naquela competição. Este, segundo o diretor executivo de Gestão, é um instituto vigente e que funciona. Essa representação pode ser feita não só pelo atleta, mas por advogado ou até pelo sindicato representativo da categoria. Os clubes, no caso, precisam ter a licença de que estão em regularidade.
Diretor financeiro da CBF, Rogério Caboclo (Foto: Reprodução/SporTV)Clube que não pagar suas obrigações pode cair, diz Rogério Caboclo (Foto: Reprodução/SporTV)
O apresentador Marcelo Barreto lembrou que os clubes já têm suas obrigações com o Profut, e perguntou se existe uma relação entre essa licença e o programa de refinanciamento de dívidas e se os clubes correm algum risco caso tenham problemas.
- Na verdade, existem duas realidades relacionadas ao Profut. A primeira delas, do cumprimento por aqueles clubes que aderiram e tiveram o benefício do parcelamento dos seus débitos que são próprios desses clubes. E uma outra, que o legislador criou, e de uma forma até curiosa, para não dizer incrível: ele equipara a regularidade, no recolhimento de tributos, a classificação obtida dentro de campo para que o clube não seja rebaixado. Isso significa dizer que o campeão brasileiro de 2017, se porventura, quando do início do Campeonato Brasileiro de 2018, não obtiver uma certidão, pode ser ela da Previdência Social, de tributos federais ou do Fundo de Garantia, ele pode ser alijado da participação da Série A do Campeonato Brasileiro mesmo ostentando a medalha de campeão do ano anterior. Campeão e rebaixado. O legislador, em algum momento, se convenceu que isso era algo possível. Então, de forma inédita, no mundo e mesmo no Brasil em relação a outras atividades, o legislador fez para o futebol uma regra em que, uma vez devedor, ainda que paire dúvida a respeito desse débito, da legitimidade e regularidade do débito, a simples ausência da certidão alija o clube de participar de uma competição.
O comentarista Vitor Birner queria esclarecer dúvida também com relação às tão faladas licenças para os clubes mediante cumprimento de obrigações. Deu o exemplo de um clube campeão brasileiro com sete meses de salários atrasados, com a dívida só começando a ser quitada com os jogadores a partir de janeiro do ano seguinte, mas com a quitação paralisada logo depois, estourando o limite de três meses de salários atrasados, o que daria a qualquer jogador o direito de ter a liberação dos seus direitos federativos. Segundo Rogério Caboclo, haveria outras sanções:
- O clube não seria excluído da competição, mas poderia perder o título e ser rebaixado - disse o dirigente.
Rogério acha que os clubes agora serão obrigados a ter mais responsabilidade. Mas não escondeu uma outra preocupação.
- Eu acho que esse é o aspecto positivo, para que a gestão aconteça, e de forma irretratável. Ou seja, o clube tem que fazer. Agora, existe uma preocupação quanto à continuidade das competições quando, a partir de 2018, a lei, implementada, vai passar a excluir clubes que não apresentem às vésperas de cada uma das competições todas as certidões que garantam ao Fisco o recebimento dos tributos que ele, unilateralmente, entende que são devidos. Ainda que não sejam.
Corinthians campeão Brasileiro 2015 (Foto: Agência Reuters)Campeão em 2015, Corinthians devia salários aos jogadores e perderia pontos com a atual lei (Foto: Agência Reuters)

NOTICIAS DA PONTE PRETA (MACACA)

Duplo jejum para Ponte: um ano sem vencer fora na Série A e tabu em Itaquera

Contra o Corinthians, Macaca desafia retrospecto recente altamente desfavorável como visitante, tanto no geral como na arena do Timão

Não bastasse ter pela frente o líder invicto do Campeonato Brasileiro, a Ponte Preta desafia dois incômodos jejuns como visitante no próximo sábado, quando enfrenta o Corinthians a partir das 19h, pela 12ª rodada. Além de não vencer fora de casa há mais de um ano pela elite nacional, a Macaca carrega o tabu de nunca ter superado o Timão na arena.
Quando empatou por 0 a 0 com o Avaí em Florianópolis, no último domingo, a Ponte já havia completado um ano sem somar três pontos longe de Campinas pela elite nacional. A última vez que a equipe conquistou um triunfo fora foi em 30 de junho de 2016, quando fez 3 a 0 no Santa Cruz, no Arruda, com dois gols de Pottker.
Desde então, contando as duas edições - 12 da última e seis da atual, são 18 partidas consecutivas sem um resultado positivo, com 11 derrotas e sete empates. Nesta temporada, a Ponte perdeu para Botafogo (2 a 0), Atlético-GO (3 a 0) e Flamengo (2 a 0), além das igualdades com Atlético-MG (2 a 2), Santos (0 a 0) e agora Avaí.
Último jogo da Ponte em Itaquera terminou 1 a 1: foi na grande decisão do Campeonato Paulista (Foto: Marcos Ribolli) Último jogo da Ponte em Itaquera terminou 1 a 1: foi na grande decisão do Campeonato Paulista (Foto: Marcos Ribolli)
Último jogo da Ponte em Itaquera terminou 1 a 1: foi na grande decisão do Campeonato Paulista 
(Foto: Marcos Ribolli)
Levando em conta também o Paulistão e a Sul-Americana deste ano, a Ponte não vence como visitante desde 23 de março: 2 a 1 sobre o São Bento, em Sorocaba, ainda pela primeira fase do estadual, na estreia de Gilson Kleina.
- Isso não incomoda. Pega os times que têm elenco grande e qualificado. Eles também têm dificuldade para ganhar fora. Fora de casa é difícil, tem que ter esse espírito. Mas nós vamos ganhar, pode ficar tranquilo que vamos ganhar - disse o auxiliar Juninho, após a partida em Santa Catarina, onde substituiu Kleina no banco de reservas por conta da morte do cunhado do treinador.
O retrospecto é ainda pior em Itaquera. Em cinco jogos na arena corintiana, a Ponte acumula quatro derrotas e apenas um empate.
Até ficar no 1 a 1 na segunda decisão do Campeonato Paulista deste ano, quando precisava vencer por pelo menos três gols de diferença para ter a chance de ser campeã, a Macaca só havia perdido no local: 2 a 0 pelas quartas de final do Paulistão de 2015, outro 2 a 0, desta vez pelo Brasileirão de 2015, 2 a 1 pelo estadual de 2016 e 3 a 0 no Brasileirão de 2016.
FONTE: globoesporte.com.br

quarta-feira, 28 de junho de 2017

O MEIA ZÉ RAFAEL ESPERA RECUPERAÇÃO DO BAHIA NO BARRADÃO

Antes de Ba-Vi, Zé Rafael alerta: “Bola forte deles é a parada”

Meia reconhece momento ruim do Bahia na Série A do Brasileiro, mas diz acreditar em recuperação no clássico de domingo, no Barradão

"Acredito que eles têm a bola forte dele a parada", diz Zé Rafael (Foto: Felipe Oliveira / Divulgação / EC Bahia)
Bahia e Vitória se encontram no próximo domingo, em um clássico que não tem muita coisa de novidade. Frente a frente pela sexta vez no ano, as equipes se encaram, desta vez, pela 11ª rodada do Campeonato Brasileiro. Diferente das partidas anteriores, pelas fases decisivas do Campeonato Baiano e da Copa do Nordeste, o confronto do próximo domingo vale a saída da zona de rebaixamento do Brasileirão.
Com o time sem vencer há cinco partidas e na 17ª posição na tabela, o meia Zé Rafael reconhece o momento difícil para o Bahia, assim como também o do rival. Uma posição abaixo do Tricolor, o Vitória entra em campo após derrotas nas duas últimas rodadas.
- A gente sabe que está passando por momento difícil, situação adversa do que a gente estava pretendendo para esse início do campeonato. Nossa equipe está focada, bem unida. A gente sabe que tem qualidade para sair dessa zona desconfortável. Só com trabalho mesmo vai conseguir sair dessa situação. [...] Clássico a gente sabe que é muito difícil falar. A pressão é grande para os dois lados, independente de a gente estar em primeiro e o Vitória em último, ou vice versa, a gente tem que vencer. A gente sabe que a equipe deles também está pressionada. Temos condição de sair dessa parte de baixo da tabela. O quanto sair antes melhor – acredita Zé Rafael.
Depois de encarar o Vitória em tantas outras oportunidades, Zé Rafael já tem em mente os pontos fortes do rival. Para o meia, o Bahia tem que tomar cuidado com a bola aérea do Rubro-Negro.
- Acredito que a bola forte deles é a parada. Temos que tomar muito cuidado com isso. São jogadores que são fortes. Tenho certeza que essa semana a gente vai trabalhar muito para domingo fazer partida impecável e sair dessa zona.
O jogo contra o Vitória está marcado para as 16h (horário de Brasília) de domingo, no Barradão.
Confira outros trechos da entrevista coletiva do meia Zé Rafael:
Finalizações erradas
- Eu acho que a gente tem criado muitas oportunidades de gols. Geralmente, as primeiras chances a gente não tem sido eficiente, principalmente eu, que tenho maior número de finalizações [é o líder do Bahia no fundamento]. A gente tem trabalhado. Vamos trabalhar muito essa semana para que domingo as coisas aconteçam de forma natural.
Torcida única
- Eu acho que, para nós, dentro de campo, fora de casa, não interfere em nada. Nosso ponto forte é jogar em casa com nossa torcida, que tem comparecido sempre. A gente fez um bom jogo contra o Grêmio, contra o Corinthians. O resultado não condiz com o que foi o jogo. Domingo a gente vai tentar fazer boa performance com triunfo.
Seca de gols
- Faz tempo que não faço gol, mas acho que não é por falta de tentativa, de trabalhar. Os goleiros também... Não dá para tirar o mérito deles. Contra o Palmeiras, na jogada que saiu nosso gol, o Prass acabou pegando. Contra o Corinthians, tive uma bola difícil para o goleiro pegar, e o Cássio foi feliz. Temos tentado de todas as formas. Tenho certeza que quando sair os próximos, a gente vai deslanchar.
Esposa grávida
- Com relação à parte familiar, é uma motivação a mais. Família é nossa base. Esse novo membro que vem acrescentar é sempre uma motivação. Estou feliz e cada vez mais motivado para dar alegria para ele, minha esposa.
Lembrança dos Ba-Vis
- Triunfo. Nada melhor que o triunfo. A agente teve jogo muito difícil pela Copa do Nordeste e tem que ficar marcado aquele jogo [2 a 0 para o Bahia na Fonte Nova]. Um jogo quase perfeito, se não foi perfeito. Temos certeza que domingo vamos fazer mais um grande jogo e trazer o triunfo.

SÃO PAULO TENTA REGULARIZAR REFORÇOS INTERNACIONAIS

Caras novas contra o Flamengo? São Paulo tenta regularizar reforços internacionais

Inscrições de Arboleda e Gómez até sexta-feira são difíceis por dependerem de visto de trabalho – próximo jogo é no domingo. Equatoriano e argentino começam integração com o grupo

 Por Marcelo Hazan, São Paulo

Aos poucos, Rogério Ceni vai ganhando novas opções no São Paulo. Mas a regularização do zagueiro equatoriano Arboleda e do meia argentino Gómez, anunciados nos últimos dias, não deve acontecer rapidamente.
Pela parte burocrática, o clube considera difícil deixá-los aptos para o confronto com o Flamengo, no domingo, na Ilha do Urubu, pela 11ª rodada do Campeonato Brasileiro. Eles teriam de aparecer no Boletim Informativo Diário (BID) da CBF até sexta-feira.
Por serem estrangeiros, Arboleda e Gómez dependem de visto de trabalho para jogar no Brasil. Isso dificulta a regularização dos reforços.
Arboleda (à esq.) e Gómez conheceram o Morumbi no domingo (Foto: Rubens Chiri/saopaulofc.net)
Arboleda (à esq.) e Gómez conheceram o Morumbi no domingo (Foto: Rubens Chiri/saopaulofc.net)
Arboleda (à esq.) e Gómez conheceram o Morumbi no domingo (Foto: Rubens Chiri/saopaulofc.net)
Arboleda e Gómez conheceram o Morumbi no último domingo, durante o empate por 1 a 1 com o Fluminense. Os dois estiveram com o grupo no vestiário e acompanharam a partida.
O zagueiro equatoriano, por sua vez, poderá ser um substituto para Maicon, negociado com o Galatasaray, da Turquia – Lucão também está de saída. O meia argentino, ex-Santa Fé, será um concorrente a mais para Cueva, em baixa nas últimas partidas.
Além Arboleda e Gómez, o São Paulo está perto de anunciar Petros. O volante será submetido a exames e, se for aprovado, assinará contrato.
Após a folga de segunda-feira, o elenco tricolor se reapresentará na tarde desta terça-feira, no CT da Barra Funda. O time ocupa da 16ª posição na tabela do Brasileirão, a primeira fora da zona de rebaixamento – é a única competição que resta na temporada.

FLUMINENCE DE VOLTA NO GIULITE COUTINHO

Fluminense consegue laudos, e Giulite Coutinho é liberado para jogos

Estádio do America recebe liberações da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros, e Tricolor volta à Baixada já na próxima segunda-feira, contra a Chapecoense

O Fluminense voltará a Giulite Coutinho. Após uma inspeção nesta terça-feira, a Polícia Militar e o Corpo de Bombeiros emitiram os laudos que liberam o estádio para voltar a receber jogos oficiais. O retorno do Tricolor à casa do America será na partida contra a Chapecoense, marcada para a próxima segunda-feira, às 20h. 

Fluminense está de volta ao Giulite Coutinho (Foto: MAILSON SANTANA/FLUMINENSE FC) Fluminense está de volta ao Giulite Coutinho (Foto: MAILSON SANTANA/FLUMINENSE FC)
Fluminense está de volta ao Giulite Coutinho (Foto: MAILSON SANTANA/FLUMINENSE FC) 

Depois de selar um acordo aditivo ao Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), o America retirou os impedimentos legais de seu campo. Assim, o estádio estava próximo de receber novos laudos e ser reaberto. O Grupamento Especial de Policiamento em Estádios (Gepe) e os Bombeiros realizaram uma nova inspeção e validaram novos Laudos de Prevenção e Combate a Incêndio (LPCI) e Certificados de Registro (CR). A validade é 22 de dezembro de 2017, seguindo o prazo do alvará expedido pela Prefeitura de Mesquita. A lotação máxima ficou estabelecida em 12.159 pessoas.
O Tricolor deve formalizar uma nova parceria com o clube rubro - a última ia até o fim do estadual -, ainda com tempo de vínculo indefinido. O último jogo do Fluminense no Giulite aconteceu em 26 de março de 2017, na vitória sobre o Macaé por 3 a 0, pelo Campeonato Carioca. Sornoza, Richarlison e Wellington Silva marcaram para o time de Abel Braga. Ao todo, já foram 32 jogos do Flu no estádio, com 18 vitórias, cinco empates e nove derrotas - um aproveitamento de 61,5%. A diferença no saldo de gols é significante: 76 marcados e 42 sofridos. 
FONTE: globo esporte.com

CAMPEONATO BRASILEIRO SERIE A

Com torcida única, Ba-Vi no Barradão tem venda de ingressos iniciada

Por determinação da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), clássico de domingo terá torcida única. Ingressos para arquibancada custam R$ 40 e R$ 20

Com torcida única, Ba-Vi no Barradão tem venda de ingressos iniciada 

A venda de ingressos para o Ba-Vi de domingo, marcado para 16h (de Brasília), no Barradão, foi iniciada nesta terça-feira, pela internet. Os pontos físicos iniciarão a comercialização de bilhetes a partir de quarta-feira. Por determinação da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), que acatou recomendação do Ministério Público da Bahia (MP-BA), o clássico válido pela 11ª rodada do Campeonato Brasileiro terá torcida única.
Para acompanhar a partida de perto, os torcedores do Vitória precisarão desembolsar R$ 40 (inteira) ou R$ 20 (meia) para comprar um ingresso para o setor de arquibancada. Os ingressos para o setor de cadeiras custam R$ 60 (inteira) e R$ 30 (meia).
Com o novo sistema de venda de ingressos, sócios Sou Mais Vitória Prata podem entrar no estádio por qualquer catraca de acesso à arquibancada. Os sócios SMV Bronze e Leão podem comprar suas entradas em qualquer ponto de venda. É importante lembrar que, pela internet, estão à venda apenas entradas inteiras. Crianças menores de 12 anos não pagam e têm acesso ao Barradão por catracas específicas, mediante apresentação de documento de identidade ou certidão de nascimento.

Pontos de venda

1) Internet – 24h, até as 13h de domingo;
2) Lojas oficiais:
- Loja do Leão – Shopping Capemi (de quarta a sexta, das 9h às 19h / sábado, das 9h às 16h),
- Loja do Leão – Shopping Center Lapa (de quarta a sexta, das 9h às 17h / sábado, das 9h às 16),
- Loja Estação Rubro-Negra – Shopping Paralela (de quarta a sexta, das 9h às 17h / sábado, das 9h às 16);
3) Barradão – (de quarta a sexta, das 9h às 18h / sábado, das 9h às 17h / domingo, das 10h às 17h).

Preços por setor

- Arquibancada: R$ 40 (inteira) / R$ 20 (meia);
- Cadeira: R$ 60 (inteira) / R$ 30 (meia).

FONTE: Globo esporte.com

COPA DO BRASIL

Quartas da Copa do Brasil: tudo que você precisa saber sobre Flamengo x Santos

Rubro-Negros recebem desfalcado Peixe na Ilha, com voltas de Juan e Everton, mas sem reforços, contratados fora do prazo de inscrição para competição

 (Foto: Infoesporte)  (Foto: Infoesporte)
(Foto: Infoesporte)
Flamengo e Santos abrem o confronto das quartas de final da Copa do Brasil, nesta noite de quarta-feira, às 21h45, na Ilha do Urubu. O Rubro-Negro tenta manter o retrospecto positivo na nova casa, reformada este ano. Em duas partidas, foram duas vitórias, com 2 a 0 sobre a Ponte Preta e goleada de 5 a 1 na Chapecoense.
O jogo da volta está marcado para 26 de julho, na Vila Belmiro, também às 21h45. Passa de fase quem tiver melhor saldo de gols no duelo e maior número de gols feitos na casa do adversário. Em caso de empate nos dois primeiros critérios, os times disputam pênaltis para definir a vaga na semifinal.
Transmissão: TV Globo para RJ, RS, SC, PR, SP (Santos), MG (Juiz de Fora), ES, GO, TO, MS, MT, BA, SE, AL, PB, RN, CE, PI, MA, PA, AM, RO, AC, RR, AP e DF (com Luis Roberto, Juninho Pernambucano e Arnaldo Cezar Coelho)
 (Foto: Infografia)  (Foto: Infografia)
(Foto: Infografia)
Flamengo - Técnico: Zé Ricardo
Zé não terá os reforços de Éverton Ribeiro, Rhodolfo e Geuvânio na partida desta quarta-feira. O trio foi contratado fora do prazo de inscrição no torneio – data limite era 24 de abril. O treinador terá dois retornos importantes, contudo: Juan volta à zaga do Flamengo e Everton ao ataque.
Quem está fora: além de Éverton Ribeiro, Rhodolfo e Geuvânio, outro desfalque é Thiago Santos, em recuperação de rompimento de ligamento do joelho direito.
 (Foto: GloboEsporte.com)
(Foto: GloboEsporte.com)
Santos - Técnico: Levir Culpi
Com campanha ruim como mandante - cinco derrotas no semestre -, o Santos aposta em um bom resultado fora de casa para largar na frente nas quartas de final da Copa do Brasil contra o Flamengo. Com o técnico Levir Culpi, o Peixe aposta no contra-ataque. A ideia é explorar os espaços deixados pelos rubro-negros. O único desfalque é Thiago Maia, com virose. Leandro Donizete será o substituto.
Quem está fora: Thiago Maia (virose), Ricardo Oliveira (pneumonia), Zeca (em recuperação física), Gustavo Henrique e Luiz Felipe (em recuperação de cirurgia no joelho), Rodrigão (amigdalite), Cleber (edema na panturrilha) e Yuri (dores no quadril)
 (Foto: GloboEsporte.com)
 
 (Foto: Infografia )  (Foto: Infografia )
(Foto: Infografia )
Ricardo Marques Ribeiro (MG), auxiliado por Guilherme Dias Camilo (MG) e Fabricio Vilarinho da Silva (GO).